A vida depois do doutorado - para onde vamos agora?

Em um campo onde o lema "publicar ou perecer" (do inglês publish or perish) se tornou "publicar e perecer de qualquer maneira", a maioria dos PhDs se sente desencorajada em seguir uma carreira acadêmica. Mas ter um doutorado significa que devemos permanecer na academia?


Conseguir um PhD é, sem dúvida, um feito que a maioria das pessoas se sentiria orgulhosa. No entanto, parece que conseguir um PhD é uma sentença para forçá-lo a continuar na academia, não importa o que aconteça. Ou como alternativa, encontre um emprego na indústria.


Parece que abandonar a ciência depois de obter um PhD é um fracasso e nem deveria ser considerado como uma opção. Mas tem que ser assim? É uma obrigação do PhD seguir um caminho que pode não se encaixar em sua vida? Por que a maioria dos PhDs procura emprego na academia, apesar do fato de que não há empregos suficientes para todos?


Fiz o meu doutoramento como parte de um programa de neurociência, chamado SyMBaD , uma colaboração internacional entre seis universidades europeias, financiada pela Marie Curie ITN (Initial Training Network). Como a maioria das pessoas que obtém um PhD em ciências biológicas, eu permaneço trabalhando com pós-doutorado, e se você me perguntar - sim, eu quero ficar na academia.


No SyMBaD, vinte e três estudantes (inclusive eu) realizaram seus PhDs em diferentes universidades da Europa. Todos concluíram com sucesso seus doutorados? Sim. Todos eles ficaram na academia? Não. Porque com um PhD você pode ir praticamente para qualquer lugar em sua carreira e não necessariamente permanecer em um campo relacionado à ciência.


Um PhD oferece a você um conjunto de habilidades que outros tipos de educação não proporcionarão e, embora os diplomas de doutorado às vezes sejam vistos como uma educação prolongada em vez de experiência de trabalho por alguns empregadores, isso não é verdade. E nós, os titulares do PhD, somos os primeiros a perceber isso.


Alguns dos meus antigos colegas do programa SyMBaD não seguiram o caminho tradicional de pós-doutoramento depois de obterem o seu doutoramento. Eu estava curiosa para saber quais eram suas razões por trás dessa decisão ousada. O que algumas pessoas podem considerar “desistir” acaba sendo uma escolha sábia, e pelo menos para elas, uma maneira definitivamente mais feliz.


Deixando o laboratório

Conversei com a Dra. Maria Szlapczynska, a Dra. Vera Pinheiro e o Dr. Fernando Josa Prado, três dos ex-alunos do SyMBaD que decidiram ir além da academia. Embora possam ser considerados “excessivamente qualificados” para fazer qualquer outro trabalho além da pesquisa, eles encontraram o caminho e aplicaram as habilidades adquiridas durante o doutorado em outros ambientes.


Maria e Vera deixaram os trabalhos no laboratório depois de concluírem seus doutorados e agora dedicam seu tempo a áreas não relacionadas, como educação, consultoria e defesa da ciência. Elas sentem falta de conduzir ciência acadêmica? Claro que sim, mas elas não se arrependem de suas decisões. Elas não desistiram da ciência porque achavam que não poderiam ter sucesso em tal campo, mas porque não estavam dispostas a adquirir “o resto do pacote”, como colocou Vera.


Elas concordam que a vida da ciência requer sacrifício: a vida social tem um preço, as oportunidades de carreira estão diminuindo e a competitividade para o financiamento está se tornando mais implacável do que nunca.


Fernando, embora ainda esteja no pós-doutorado, está explorando novas opções, já que acha que uma mudança de carreira pode acontecer, então ele acaba de embarcar na Business School para ampliar seus horizontes. O que ele espera ganhar com essa nova experiência é estar preparado para quando “um caminho acadêmico não for mais uma opção”.


Ele se encontra em uma situação que muitos pós-docs estariam familiarizados. Ele realmente quer perseguir o sonho de se tornar um “investigador principal”? Fernando constata “é um pensamento sufocante este cenário em que a vida consiste apenas em ler artigos sobre [um] tópico e estar no laboratório fazendo experimentos”.


O caso de Maria é um pouco diferente, pois ela sabia que era improvável que seguiria uma carreira como pesquisadora, mas queria tentar. “Eu escolhi fazer um PhD porque eu era fascinado pelo cérebro e queria aprender mais sobre isso ”, diz ela. Mas continuar neste campo não era mais uma opção quando ela percebeu como era difícil separar a vida do trabalho ou lidar com a pressão para ser publicada e financiada.


Leve o seu doutorado para outro lugar

Um PhD pode ser considerado como uma “maldição”, como explicou Maria, quando se procura um emprego. Alguns empregadores podem não vê-lo com uma experiência de trabalho adequada e podem considerar os doutores como funcionários de “alta manutenção”. No lado positivo, um PhD não apenas o qualifica como especialista em uma área específica do conhecimento, ele também fornece uma grande variedade de habilidades que são essenciais para qualquer tipo de trabalho: pensamento crítico, solução de problemas, habilidades organizacionais, independência ... E os empregadores estão muito conscientes disso.


Vera iniciou recentemente um cargo na Nordic Innovators , uma empresa de consultoria privada para inovação e pesquisa na Dinamarca, depois de passar algum tempo ensinando e capacitando jovens por meio de programas de inovação social. Tendo participado de um programa de doutorado internacional, ela sabe o poder da colaboração internacional e da parceria entre instituições públicas e privadas.


Após seu PhD, Maria passou a trabalhar na Eurodesk , uma rede que se esforça para aumentar a conscientização sobre oportunidades de mobilidade para fins de aprendizagem para jovens. Seu PhD ensinou-a a ser uma pensadora analítica e crítica, habilidades que ela aplicou em seu novo emprego.


No caso de Fernando, ele acha que seu doutorado o ajudou a compreender o sentido de colaboração internacional, dinâmica de grupo e diplomacia. Essas habilidades o levaram a se envolver com várias associações que baseiam seus esforços na colaboração entre cientistas: Spanish Researchers in the UK association (SRUK), fundando o grupo Southwest England Constituency e a Association of Returned Researchers to Spain (Asociación de Científicos Retornados a España, CRE).


Como você pode ver, tudo completamente sem relação com a neurociência, mas beneficiando-se da experiência de uma educação a nível de doutorado.


O que Vera, Maria e Fernando têm em comum, além de seu profundo conhecimento de neurobiologia, é o senso de colaboração internacional, o conjunto de habilidades que adquiriram durante seus doutorados e a capacidade de suportar tudo que fosse colocado sobre eles, tudo isso os levou a alcançar novos objetivos.


Eles são a prova viva de que você pode levar seu doutorado para qualquer lugar.

A Dra. Vera Pinheiro é de Portugal, onde fez o seu bacharelado em Biologia Molecular e Celular na Universidade de Lisboa. Ela obteve seu mestrado na Universidade de Coimbra e na Universidade de Trieste. Seu projeto SyMBaD foi realizado na Universidade de Bordeaux. Ela fala Português, Espanhol, Francês, Inglês e Italiano. Ela tem experiência em educação, em museus de ciências, associações e escolas secundárias. Ela se mudou para a Dinamarca em setembro e encontrou um emprego na Nordic Innovators, uma empresa de consultoria privada.


A Dra. Maria Szlapczynska é originária da Polônia. Ela recebeu um mestrado em Psicologia da Universidade de St Andrews e um mestrado da Universidade de Edimburgo no laboratório de Richard Morris. Ela fez seu doutorado na Universidade de Bordeaux sob a supervisão de Andreas Frick. Ela está agora em um hiato profissional.


O Dr. Fernando Josa Prado é da Espanha. Ele fez sua graduação em Biologia na Universidade Autônoma de Madrid (UAM). Ele passou um ano na Universidade de Leeds com uma bolsa Erasmus. Ele recebeu um mestrado em psicoterapia e hipnose ericksoniana. Ele fez seu doutorado na Universidade de Bristol. Agora na Espanha, ele trabalha como pós-doutorado e professor associado na Universidade Alfonso X el Sabio, enquanto continua seus estudos na Business School e atua como presidente da CRE.


Sobre o autor

A Dra. Elena Blanco-Suarez é neurocientista no Instituto Salk em San Diego, CA. Ela fez sua graduação entre Espanha e Grécia e seu mestrado na Espanha. Ela obteve seu PhD em bioquímica no Reino Unido, antes de se mudar para a Califórnia para seu pós-doutorado. Ela está envolvida na organização de diferentes oficinas de comunicação científica, como ComSciCon San Diego e Share Your Science, e contribui para diferentes blogs científicos. Seu trabalho foi destaque nos trabalhos da Nature , PLOS neuro community , Psychology Today eNeuWriteSD . Ela também colabora em vários projetos de educação, visando aumentar a inclusão na ciência.


Texto original publicado em: https://medium.com/marie-curie-alumni/life-after-phd-where-do-we-go-now-3b35653bc7b7


Leia também: 7 etapas de um doutorado e Preparando um projeto de pesquisa


  • Facebook Social Icon
  • Twitter ícone social
  • whatsapp
  • Instagram ícone social
  • YouTube ícone social
© 2020 por Tudo Sobre Pós-Graduação

Minas Gerais - Brasil