top of page
NPC - BANNER - SITE.png
  • Foto do escritorTudo Sobre Pós-graduação

Os cientistas não são treinados para serem mentores. E isso é um problema!

Durante a maior parte da minha pós-graduação, fiquei impressionado com o quão completamente sem importância eu era para as pessoas que dirigiam os laboratórios em que trabalhava.


Eu não esperava ter relacionamentos de melhores amigos com os meus orientadores, mas não sabia que seria considerado como “despesas de subsídio e treinamento”.


O primeiro dia em um laboratório geralmente eu me sentia assim:

“Minha mente está aberta, ilumine os corredores maravilhosos da ciência e seja meu verdadeiro guia enquanto me treina”.

Meu orientador: “Aqui está uma pilha de artigos de periódicos. Vejo você em uma semana”.


Às vezes traçamos uma falsa equivalência entre orientadores e mentores. Embora muitos orientadores sejam excelentes mentores, não é exatamente um pré-requisito.


Mas, a realidade não precisa ser assim. Na época em que as viagens e os eventos públicos existiam, dei uma palestra no HSI STEM Impact Program, um evento para estudantes de graduação da Texas State University. É um programa bastante notável: não apenas porque apoia os alunos em sua primeira experiência de trabalho em um laboratório, mas também inclui o treinamento de mentoria obrigatório para os professores orientadores que administram esses laboratórios.


Por que isso é notável? Porque a grande maioria dos professores na maioria das universidades não recebe nenhum treinamento para ser um mentor.


Seu orientador não sabe o que fazer com você? Sim, às vezes eles são assim mesmo!


Mas não na Texas State University. Lá eu vi alunos ansiosos por participarem de projetos de pesquisas e vi professores que ficaram felizes em facilitar esse processo. E o mais importante, vi um programa, financiado, sancionado e promovido pela universidade, e que deu luz verde para os professores participarem.


O recado dado aos professores é: "A universidade quer que vocês sejam mentores - e nós forneceremos o apoio para ajudá-los a fazer isso bem."


Programas como esse, que oferecem vários tipos de treinamento de mentoria, existem em outras instituições também - mas, ainda assim, dificilmente são a norma.


Por que mais universidades e programas não oferecem treinamento para que os professores sejam melhores mentores? Por que eles não priorizam reservar tempo para esse tipo de atividade? Por que eles simplesmente “jogam todo mundo para os lobos” e ficam vendo que acontece?


Você poderia pensar que os programas de pós-graduação estariam tentando superar uns aos outros com a qualidade da orientação que oferecem. Mas então você estaria se esquecendo de que a força vital destes programas não são os estudantes felizes - são os financiamentos.


Os professores podem até ser informados de que o seu trabalho está menos seguro porque eles investiram muito tempo e energia trabalhando com os alunos, e isso está diminuindo seu papel principal como um captador de verbas. Afinal, o dinheiro do subsídio é um combustível tangível e necessário para os departamentos das universidades, enquanto os benefícios de uma mentoria não podem ser quantificados.


"Professor Diligente, não nos leve a mal", dirá um administrador. "Agradecemos por você ter trabalhado muito para garantir que seus alunos tenham uma experiência produtiva e agradável de treinamento em seu laboratório. Mas, a menos que um desses alunos queira lhe dar US$ 3 milhões, você realmente deve redirecionar seus esforços. Será que um desses alunos quer dar a você US $ 3 milhões? "


Não apenas os incentivos para uma boa mentoria estão desalinhados, mas alguns professores estão ativamente desinteressados ​​em mentorar os alunos, focando mais na pesquisa e relegando estas atividades para algum pós-doutorando. Outros adorariam ser bons mentores, mas não sabem exatamente como - e não têm acesso fácil a oportunidades de treinamento que os ajudariam.

Para o bem da próxima geração de alunos (e, na medida em que pesquisadores bem orientados produzam pesquisas melhores, para o bem dos orientadores também), é hora de mudar. É hora de tornar o treinamento de mentoria acadêmica mais comum, ou mesmo - ouso dizer - obrigatório.


Antes que os professores esbravejem, eu ouço vocês. Eu sei que você não tem tempo para mais uma obrigação imposta pela universidade.


Mais importante, eu entendo que muitas dessas sessões de treinamento, especialmente aquelas exigidas pela universidade, são vagas nuvens de palavras sem importância.


Mas isso não é motivo para descartar toda a ideia. Nem todo treinamento exigido pela universidade é ruim; apenas um treinamento ruim exigido pela universidade é ruim. Com um pouco de tempo e esforço, certamente os administradores podem descobrir como oferecer treinamentos que irão beneficiar a todos. (Bem, quase todos - o treinamento provavelmente não melhorará aqueles orientadores legitimamente horríveis que tornam a vida de seus alunos um pesadelo, mas vamos pelo menos começar por algum lado).


Simplificando, qualquer orientador que tenha o destino dos alunos em suas mãos deve receber treinamentos de mentoria. Para treinar um cientista é preciso ser um cientista. E as universidades devem encorajar e treinar seus professores a fazê-lo. Mesmo que este não seja o aspecto mais importante do seu trabalho, para os alunos que trabalham com eles, é tudo.


Por: Adam Ruben


Fonte: este artigo foi traduzido e adaptado do original “Scientists aren't trained to mentor. That's a problem” publicado pela revista Science.







コメント


bottom of page