• Tudo Sobre Pós-graduação

Inglês como a língua universal da ciência: oportunidades e desafios

O inglês é usado quase que exclusivamente como a língua da ciência. A adoção de uma linguagem científica universal teve um efeito extraordinário na comunicação científica: ao aprender uma única língua, os cientistas de todo o mundo obtêm acesso à vasta literatura científica e podem se comunicar com outros cientistas em qualquer lugar do mundo.


No entanto, o uso do inglês como o idioma científico universal cria desafios distintos para aqueles que não são falantes nativos do inglês. Neste editorial, discutimos como pesquisadores, revisores de manuscritos e editores de periódicos podem ajudar a minimizar esses desafios, nivelando o campo de atuação e fomentando a comunicação científica internacional.


Estima-se que menos de 15% da população mundial fala inglês, sendo que apenas 5% são falantes nativos. Esse desequilíbrio extraordinário enfatiza a importância de reconhecer e aliviar as dificuldades enfrentadas por falantes não nativos de inglês, se quisermos ter uma comunidade verdadeiramente global de cientistas.


Para os cientistas cujo primeiro idioma não é o inglês, escrever manuscritos, preparar apresentações orais e se comunicar diretamente com outros cientistas em inglês é muito mais desafiador do que para falantes nativos de inglês.


Comunicar nuances sutis, o que pode ser feito facilmente na língua nativa de alguém, torna-se difícil ou impossível.


Uma reclamação comum de falantes não nativos de inglês é que os revisores de manuscritos geralmente se concentram em criticar seu inglês, em vez de olhar além do idioma para avaliar os resultados científicos e a lógica de um manuscrito. Isso dificulta que seus manuscritos recebam uma revisão justa e, em última análise, sejam aceitos para publicação.


Acreditamos que a vantagem da comunicação obtida por falantes nativos de inglês os obriga a reconhecer e a ajudar a aliviar os desafios extras enfrentados por seus colegas cientistas de países que não falam inglês.


Os falantes nativos de inglês devem oferecer compreensão, paciência e assistência ao revisar ou editar manuscritos de falantes não nativos de inglês. Ao mesmo tempo, os falantes não nativos do inglês devem se esforçar para produzir manuscritos que sejam escritos de maneira clara.

English Academy: clique na imagem para saber mais.

Oferecemos as seguintes diretrizes para escrever e avaliar manuscritos no contexto da comunidade internacional de cientistas:


1 - Falantes não nativos de inglês podem escrever manuscritos eficazes, apesar dos erros de gramática, sintaxe e uso, se os manuscritos forem claros, simples, lógicos e concisos. (Observamos que falantes nativos de inglês às vezes escrevem manuscritos exibindo boa gramática, mas repletos de lógica confusa e confusa.)


2 - Quando possível, revisores e editores de manuscritos devem olhar além dos erros de gramática, sintaxe e uso, e avaliar a ciência.


3 - É impróprio rejeitar ou criticar duramente manuscritos de falantes não nativos do inglês com base em erros gramaticais, de sintaxe ou de uso apenas. Se houver erros de linguagem, os revisores e editores devem fornecer críticas construtivas, apontando exemplos de passagens que não são claras e sugerindo melhorias. Os revisores e editores também podem sugerir que os autores busquem a ajuda de especialistas que falam inglês ou serviços de edição profissional na preparação de versões revisadas de manuscritos. E, finalmente, todos os envolvidos devem ter em mente que a maioria dos periódicos emprega revisores, cujo trabalho é corrigir quaisquer erros remanescentes de gramática, sintaxe e uso antes da publicação final de um artigo.


4 - Falantes não nativos de inglês devem estar cientes de que revisores, editores e equipe do periódico não têm tempo ou recursos para editar extensivamente os manuscritos para o idioma e que os revisores e editores devem ser capazes de entender o que está sendo relatado. Portanto, é essencial que falantes não nativos de inglês reconheçam que sua capacidade de participar do empreendimento científico internacional está diretamente relacionada à capacidade de produzir manuscritos em inglês que sejam claros, simples, lógicos e concisos.


O fato de o inglês ser a língua global da ciência não deve mudar tão cedo. A otimização da comunicação entre os membros da comunidade internacional de cientistas e, assim, o avanço do progresso científico, depende da eliminação dos obstáculos enfrentados por falantes não nativos da língua inglesa. Esse ideal pode ser melhor alcançado quando todos os membros da comunidade científica trabalham juntos.


Publicado originalmente pela American Society for Cell Biology com o título "English as the universal language of science: opportunities and challenges" o texto original pode ser lido aqui: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3341706/